image

por CarloZaraujo

QUE É A CRONICA DO CRIME 
MÍDIA CRIMINOSA
SEM MEDO DA PRISÃO
A VIDA NAS PRISÕES
PEDOFILIA
EFEITO E NÃO CAUSA
IMPRENSA SANGRENTA
HÁ OUTRA VERSÃO  

QUE É A CRÔNICA DO CRIME
Desde o dia 04.07.2011 que CarloZaraujo (Carujo) escreve artigos, crônicas e ensaios sobre fatos criminosos neste blog especializado.  Sua abordagem é dinâmica, estrutural humanística e trilógica (psicanálise integral). Aplica-se em obter a visão holística do crime. Sua atenção está voltada para as fronteiras da Criminologia, sobre o que tem lido muito ultimamente. Tem preferência pelos avanços surpreendentes. É adepto da evolução do conhecimento e para isso acha necessária a controvérsia.
 
AGENDAMENTO DIÁRIO. TEMAS:
1.      A OUTRA FACE DO CRIME – A face secreta do crime poucos têm a coragem de olhar. Corre-se o risco de “virar pedra” porque, de uma maneira ou de outra, todos são culpados.
2.      O DIREITO ESMAGADO – O monopólio do conhecimento da profissão de advogado e da ciência do Direito foi inteiramente esmagado pela revolução da infotecnologia.
3.      UM CRIME DENTRO DA LEI – Bandidos podem estar fundando igrejas para lavagem de dinheiro. O registro de uma igreja pode custar pouco mais de R$200 Reais. Para provar, repórteres da “Folha” instituíram a Igreja Heliocêntrica do Sagrado EvangÉlio em apenas dois dias.
4.      O ‘TRUCULÊS’ – A linguagem policial, ou “truculês”, usada por repórteres, pertence a um panorama histórico a partir de assimilações que o agente faz da linguagem dos bandidos.
5.      CRIMES AMBIENTAIS – O ciclo de reprodução de plantas e animais pode ser alterado dramaticamente e a derrubada de vegetação nativa pode desregular o clima. Denuncie esses crimes!
6.      CRIMES DA DITADURA – A Comissão Nacional da Verdade não pode ser implantada com a finalidade de, apenas, aplacar os clamores nacionais e internacionais.
7.      IMPRENSA SANGRENTA – Exploração sádica da fé, da curiosidade mórbida e do baixo sentimento causa danos sociais. Sindicato, federação, faculdade de jornalismo não debatem o assunto.
8.      AS DUAS FACES DE UM CRIME – Humanismo versus positivismo jurídico. O marketing da advocacia mercenária leva o criminalista, mesmo induzido a erro, a excluir-se da culpa.
9.      A MENTE CRIMINOSA – Cérebro e mente são resultados da interação biológica com a experiência social. O aspecto orgânico, isoladamente, não pode determinar a manifestação criminosa.
10.  A VIDA NAS PRISÕES – O ambiente nas penitenciárias reflete o agravamento da tensão social e da profissionalização do crime fora delas. O Estado se ausenta e alguém tende a tomar o controle.
11.  O CRIME COMO EFEITO E NÃO CAUSA – Não existe chance, para o preso, de desenvolvimento interior. Se for doente psíquico, não há de se curar. O crime é efeito e não causa.
12.  SEM MEDO DA PRISÃO – Mesmo quem não é da área, incluindo-me, fica chocado em saber que, a partir de cinco de julho, a prisão em flagrante e a prisão preventiva somente ocorrerão em casos raríssimos.
13.  PEDOFILIA – As fronteiras entre o crime, o pecado e a doença. O que os criminologistas, teólogos e terapeutas têm a dizer.
 
O QUE PENSA O AUTOR
Atento às fases da ciência Carujo aderiu a “big-history” e ao holismo. O escritor aprendeu que o pensamento criminológico, assim como o que ocorre em ciências sociais, representa o subjetivismo de cada autor. E isto tem promovido a desconstrução da técnica de investigação cartesiana que dominou as ciências criminais por tantos séculos. Daí a necessidade da discussão em torno do assunto sendo que até mesmo a mais recente corrente de pensamento da Criminologia é de tendência crítica.
 
QUE PENSAM OS JURISTAS
A sociedade em si está repleta de valores burgueses, cartesianos, de natureza judaico-cristãos profundamente danosos e enraizados. Os juristas declaram que o direito penal brasileiro é anacrônico, atrasado e passa por profunda crise. De várias formas está claro que a instituição não consegue hoje identificar e atuar nas raízes da coletividade criminosa.
 
QUAL A SOLUÇÃO
O comportamento criminoso tem uma estrutura absoluta, integral. Não pode o agente de um crime ser seccionado em partes, como se fosse artigos de supermercado. Antes de tudo deve-se estabelecer um diagnóstico com base na unidade trilógica do ser humano (corpo, mente e espírito). Depois, antes de puni-lo, deve-se assisti-lo com uma linha de trabalho multidisciplinar, holística.
 
E O FUTURO?
Ultrapassando a faixa da utopia vão se somando adeptos destas idéias que hoje apenas ensaiam dar os primeiros passos. Seguindo a lógica das tendências atuais as futuras gerações certamente que darão o impulso definitivo para a evolução. Este movimento penetrará as engrenagens do poder judiciário e as elites serão levadas a promover mudanças nos valores e na práxis social.